Home > Motivação > Dicas para protagonizar a própria carreira

Dicas para protagonizar a própria carreira

Independentemente da sua função é preciso fazer o melhor possível

© Depositphotos.com / kwanchaidp Se a vida profissional fosse uma peça, você teria que dar o seu melhor, independentemente do papel que você vai abraçar.

Agir e tomar decisões assertivas e em pouco tempo tornou-se habilidade-chave para as pessoas que desejam permanecer e decolar no mercado de trabalho. Mas essa característica não precisa estar presente apenas nas nossas tarefas diárias, mas na nossa carreira como um todo. Quem sabe o que realmente quer da vida profissional precisa saber também ser protagonista da própria carreira.

Georgette Heineck, coordenadora de Gestão de Pessoas da Senior, empresa brasileira especializada na oferta de software para gestão empresarial, pensa que protagonizar a carreira é o mesmo que estar com várias pessoas ao mesmo tempo e no mesmo palco, lutando para ser o “ator ou a atriz principal” de uma peça na qual cabe somente um protagonista.

“O vencedor será aquele que fizer a melhor ‘cena’ e sobreviver aos empurrões e gritos de ‘sai daí, agora é minha vez!’. Acredito que muitos de vocês também imaginaram ou já viram esta cena que acabei de descrever”, diz. “Desse modo, a minha pergunta é: na cena que você acabou de imaginar comigo, onde você ficou? Qual foi o seu papel? Ou vai me dizer que você ficou fora de cena?”, investiga Georgette.

A coordenadora revela que, se alguém se viu fora da cena, talvez não saiba que é justamente este o lugar certo. “Sim, estar fora de cena é necessário! Surpreso? Surpresa? Contraditório? Nem tanto. Vamos refletir juntos: pensem no número de profissionais que estão envolvidos em uma peça de teatro, por exemplo. São maquiadores, cenógrafos, diretores, técnicos de iluminação, bilheteiro, camareira… e também temos atores e atrizes, protagonistas ou não!”, explica.

Cada um, dentro de sua especialidade, têm a responsabilidade de construir, em conjunto, a melhor peça de teatro dos últimos tempos. E, com base nesse conceito, Georgette separou algumas para quem fazer parte dessa peça de sucesso:

1. Não somos protagonistas, nos tornamos protagonistas!

Essa é uma ótima notícia para quem sabe aproveitar as chances. Apenas ter uma chance não resolve nada, se a sua postura perante o contexto em que você atua não evoluir também. Então, essa é a primeira recomendação: seu papel no espetáculo é o mais importante sempre. Faça o seu melhor agora, pois estamos ao vivo.

Neste espetáculo, como no teatro, o conhecimento de cada um tem que ser colocado em prática e isto depende somente de você. Não é sustentável para nossa carreira culpar os outros quando não estamos satisfeitos com a nossa atuação. Cuide-se!

2. Não temos diretor de palco em nosso “espetáculo”!

Eis uma informação importante: não temos um diretor de palco! Ninguém criará efeitos de luz, determinará as cores, intensidades ou indicará a hora certa de acender os refletores. Você deve produzir a sua própria luz e sempre deverá gerar luz para os que estão ao seu lado.

Seus valores alinhados com os da empresa e suas competências são grandes aliados de sua luz interna. Use bem!

3. O palco é coletivo!

Palco coletivo não é apenas um palco, na verdade é uma arquibancada. Diferente de um espetáculo, no qual os atores e atrizes protagonistas fazem suas apresentações e mostram seu talento ficando cara a cara com o público, o palco que temos na empresa é coletivo.

Este palco poderá estender-se em andares diferentes, cidades diferentes, países diferentes. Não existem paredes ou muros no palco coletivo. Saiba utilizar este espaço!

4. O público não é de fãs, tietes, fanáticos

O “glamour empresarial” está na sintonia do coletivo. Nosso público é formado por clientes que estão ansiosos pela nossa melhor atuação. Você não vê, mas eles estão sentados bem ali, na primeira fileira. São os nossos espectadores pagantes e, por isso, fizemos a reserva para eles nas melhores poltronas. Lembre-se disso!

5. Hora do fechamento do caixa

Para nos tornarmos protagonistas empresariais precisamos saber o valor que a nossa atuação gera para a nossa carreira e, consequentemente, para a empresa.

Perguntas que irão lhe ajudar nesta análise: quantos espectadores pagantes (clientes) você fidelizou ou conquistou? Conquistar e fidelizar clientes faz parte da rotina de todas as áreas de uma empresa. Engana-se quem pensa que apenas a área comercial tem responsabilidade nesse quesito. Seu “caixa” está positivo, ou seja, seu trabalho tem e gera valor para você e para o coletivo? Se nunca pensou nisto, comece já!

Você sabe qual a programação de “espetáculos” (planejamento estratégico) que a sua empresa tem para manter-se sustentável? Espero que sua resposta seja sim. E você está se preparando para fazer parte deste futuro da empresa ou está parado esperando lhe darem o roteiro? Se a sua resposta for que está esperando, pode ir para a fila da bilheteria comprar seu ingresso e se preparar para assistir ao show, pois seu lugar não é no palco coletivo da empresa que você está.

Protagonize!

E-book gratuito tudo sobre coaching

Matérias Relacionadas