Home > Marketing > Apesar da crise, área de sustentabilidade se mantém dentro das empresas

Apesar da crise, área de sustentabilidade se mantém dentro das empresas

Questões como melhor aproveitamento da água, descarte de resíduos e consumo de energia elétrica fazem parte da rotina de empresas que se preocupam com sustentabilidade

iStockphoto.com / grandeduc Organizações estão cada vez mais preocupadas com o meio ambiente.

Há anos a questão de sustentabilidade vem ganhando cada vez mais espaço entre as empresas de pequeno, médio e grande portes no Brasil e no exterior. Este grande avanço social é uma conquista que merece ser comemorada sem sombra de dúvidas, mas também deve servir de alerta , pois ainda estamos distantes de um modelo ideal para o uso correto de recursos naturais e exploração da terra, para a redução da poluição de rios, mares, florestas e ar, para o fim da destruição de ecossistemas entre vários outros problemas que foram acentuados com o crescimento industrial mundial.

Todavia, segundo a Abraps (Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade), em pesquisa realizada com a consultoria Deloitte, é possível observar como a área de sustentabilidade se mantém firme nas empresas, mesmo em época de crise financeira. Foram entrevistados 370 profissionais que atuam nos setores administrativos, de engenharia, propaganda e marketing, gestão ambiental e outras áreas de empresas brasileiras (90%) e estrangeiras (10%). O levantamento apontou:

  • 51% dos entrevistados desenvolvem visões estratégias para garantir o cumprimento de questões de sustentabilidade dentro da empresa;
  • 48% atuam como facilitadores para viabilizar projetos ecologicamente corretos;
  • 43% promovem treinamentos e projetos de sustentabilidade para os funcionários;
  • 40% tentam minimizar impactos ambientais dentro das atividades da empresa, por meio de ações que vão desde trabalhos com fornecedores, compra de matéria-prima, produção e logística reversa até entrega e descarte de resíduos;
  • 38% dedicam tempo para monitorar indicadores-chave de sustentabilidade dentro da empresa, como inventário de gases de efeito estufa, GRI, entre outros.

A pesquisa ainda revelou que 66% das pessoas entrevistadas afirmaram que há metas ou indicadores de sustentabilidade dentro das empresas que trabalham. Outros 60% disseram que as empresas estão em estágios básicos e contam com dois ou três profissionais que trabalham somente com sustentabilidade. Já para 55% das pessoas, as empresas onde trabalham estão em estágios mais avançados e contam com até seis pessoas em áreas relacionadas a políticas ecológicas. Outras 48% das respostas classificam as empresas que trabalham como avançadas no assunto, com mais de oito profissionais neste setor.

Investimentos em sustentabilidade

O estudo realizado pela Abraps e Deloitte também afirma que, na opinião dos entrevistados, os investimentos em políticas de sustentabilidade devem continuar no mesmo nível (43%) ou mesmo aumentar (29%) nos próximos anos. Levantamento apontou ainda que dentre os assuntos mais discutidos dentro das empresas, a questão da água e energia aparece na primeira posição.

“Mesmo em um cenário econômico complexo como o atual, as empresas não indicaram uma tendência em diminuir os investimentos em sustentabilidade. Essa pode ser uma aposta das empresas no apoio da área de sustentabilidade para a gestão mais eficiente de recursos, e na geração de valor com as práticas socioambientais promovidas pela frente”, afirmou uma das sócias da área de Consultoria em Gestão de Riscos e líder da área de serviços em Sustentabilidade da Deloitte, Camila Araújo.

Matérias Relacionadas